quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

Amores estranhos...

Me desculpe, mas devo ir embora, eu sabia que era uma mentira. Quanto tempo perdido atrás de você, que promete e nunca muda. Estranhos amores que nos colocam em problemas, mas na realidade somos nós. E na espera de um telefonema, brigando para que esteja livre com o coração no estomago e um nó na garganta ali sozinho, dentro um arrepio, mas porque ele não esta. E são estranhos amores que nos fazem crescer e sorrir entre lágrimas. Quantas páginas para escrever, sonhos livres para dividir. E são amores normais a esta idade que se confundem dentro da alma que se interroga sem se decidir se é um amor para nós, e quantas noites perdidas a chorar, relendo aquelas cartas que não consigo jogar fora no labirinto da saudade. Grandes amores que terminam, mas porque ficam no coração? Estranhos amores que vão e vem nos pensamentos se escondem histórias verdadeiras que nos pertencem mas se perdem como nós. Amores estranhos, frágeis prisioneiros livres, amores estranhos que nos colocam em problemas mas na realidade somos nós.



Hoje é meu Niver! :)
Nada de bom pra comemorar! :$

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

O que não se pode explicar aos normais...

Tô me sentindo só hoje... Talvez pensem que estou louca, e é verdade um pouco!


...sobre o amor, e o desamor, sobre a paixão, sobre ficar, sobre desejar, como saber te amar, sobre querer, sobre entender, sem esquecer, sobre a verdade e a ilusão. Quem afinal é você. Quem de nós vai mostrar realmente o que quer, o meu coração neste furacão ilhado onde estiver, o meu querer é complicado demais, quero o que não se pode explicar aos normais. Sobre o porque de tantos porques, e responder: Entre a razão e a emoção, eu escolhi você.


domingo, 29 de novembro de 2009


A praia foi um desastre, pensei nele o tempo inteiro...
Sei lá é tão dificil sabe, quando agente pensa que as coisas estão melhorando elas desabam de vez, e eu me sinto só mais uma vez.
Juro que tô com vontade de jogar tudo pro alto... Mandar se fuder essas coisas que me aprisionam a ele. Me sinto uma idiota, sozinha!
"E nessa novela, baby eu não quero ser teu amigo. Eu presciso dizer que te amo, te ganhar ou perder sem enganos..."
Tô morrendo de ressaca, mais tarde eu escrevo alguma coisa!

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

Meu mundo que você não vê, meu sonho que você não crê...


Já dizia o poeta Cazuza: "Solidão a dois de dia, faz calor depois faz frio..."

Com certeza alguém já deve ter ouvido falar que a pior solidão é aquela que você sente mesmo quando tem alguém que diz lhe adorar e querer viver o resto da sua vida ao seu lado. Então eu pergunto? E a presença fica onde? De que me vale apenas a lembrança?
Ai você pensa em jogar tudo pro alto, desistir de tudo, mas o tal do amor te prende, te amordaça, te fragiliza, e você se sente vulnerável e dependente dessas noites que passa esperando alguém que está longe de você, e não é só fisicamente. Você se sente confortada pela bela incerteza de possuir algo.

É como diz aquele ditado ridículo que os fracos sempre dizem "Ruim com ele, pior sem ele". Se alguém soubesse o quanto esse ditado desprezivel tem feito sentido na sua vida ultimamente... Se alguém pudesse te dar forças pra acabar com tudo isso, com essa vida de migalhas que estão te oferecendo! Ah! se eu pudesse te ajudar a meter um sorriso no rosto, e um pouquinho mais de orgulho no seu coração, seria ótimo, porque assim eu encontraria a solução para noites como essa, em que eu estou aqui sozinha na frente do computador, escrevendo num blog que ninguém vai ler enquanto ele está do outro lado da cidade morrendo de ressaca e mentindo pra mim no msn!

E depois ele volta com as mesmas mentiras, com as mesmas histórias, os mesmos pedidos que eu já conheço, e já sei o que ele vai falar antes mesmo dele abrir a boca. "Calma" uma palavra que eu adorava, e agora me vejo a odiar o significado imposto por ele. Desde sempre eu costumo ouvir que as pessoas que se gostam querem sempre estar juntas, querem se tocar, compartilhar momentos, guardar fotos. E quanto a nós? O que somos? Quem somos? Isso não sai dos meus mais constantes pensamentos...

Solidão a dois de dia, faz calor, depois faz frio, você diz: já foi, eu concordo contigo, você sai de perto eu penso em suicídio, mas no fundo eu nem ligo. Você sempre volta com as mesmas notícias. Eu queria ter uma bomba, um flit paralisante qualquer para poder me livrar do prático efeito das tuas frases feitas, das tuas noites perfeitas, perfeitas. Solidão a dois de dia, faz calor, depois faz frio, você diz: já foi, eu concordo contigo, você sai de perto eu penso em homicídio, mas no fundo eu nem ligo. Você sempre volta com as mesmas notícias. Eu queria ter uma bomba, um flit paralisante qualquer, pra poder te negar bem no último instante. Meu mundo que você não vê, meus sonhos que você não crê, não crê. Eu queria ter uma bomba, um flit paralisante qualquer, pra poder te negar bem no ultimo instante...


Eu te avisei... O mundo gira e vacilão roda! (y)


Diz ai o que tu vai fazer da tua vida agora? Tu dedicou tua vida inteira pra esses bagui de T.O, nunca valorizou quem realmente queria te fazer feliz, que queria teu bem... Mas sabe que apesar de tudo eu não te desejo nenhum mal não! Seja feliz ai nessa nova etapa da sua vida, lhe desejo muita sorte e muita sabedoria pra distinguir as pessoas que te elevam das que querem te derrubar, sabedoria essa, que você nunca teve!

A mulher e seu passado


Ela me conta a história de uma freira que a atormentava no internato, em seu tempo de menina; de um homem que a fez viver longamente entre o desespero e o tédio, a revolta e a humilhação. E fica meio magoada porque a tudo eu sorrio, porque eu não pareço participar do sentimento com que ela fala contra essa gente que passou. A final ela também sorri: "Você é meu amigo ou amigo da onça?"
Sou seu amigo. Mas rico ri a toa e eu me sinto vertiginosamente rico porque essas histórias, alegres ou tristes, ela me conta de mãos dadas, junto de mim. Digo-lhe isso; mas não lhe confesso que aprovo e abençôo todas as coisas e pessoas que povoaram seu passado, e tenho vontade de dizer:
"Benditos teu pai e tua mãe; benditos os que te amaram e os que te maltrataram; bendito o artista que te adorou e te possuiu, e o pintor que te pintou nua, e o bêbado na rua que te assustou, e o mendigo que disse uma palavra obscena; bendita a amiga que te salvou e bendita a amiga que te traiu; e o amigo do teu pai que te fitava com concupiscência quando ainda eras menina; e a corrente do mar que te ia arrastando; e o cão que uivava a noite inteira e não te deixou dormir; e o pássaro que amanheceu cantando em tua janela; e a insensata atriz inglesa que de repente te beijou na boca; e o desconhecido que passou em um trem e te acenou adeus; e o teu remorso a primeira vez que traiste alguém; e a volúpia com que o fizeste; e a firme determinação; e o cinismo tranquilo, e o tédio; e a mulher anônima que te vociferou insultos pelo telefone; e a conquista de ti por ti mesma, para ti mesma; e os intrigantes do bairro que tentaram te envolver em suas teias escuras; e a porta que se abriu de repente sobre o mar; e a velhinha de preto que ao te ver passar disse: "moça linda..."; bendita a chuva que tombou de súbito em teu caminho, e bendito o raio que te fez saltar do cavalo, e o mormaço que te fez inquieta e aborrecida, e a lua que te surpreendeu nos braços de um homem escuro entre as grandes árvores azuis. Bendito seja todo o teu passado, porque ele te fez como tu és e te trouxe até mim. Bendita sejas tu."
Rubem Braga Abril, 1964